Home Data de criação : 09/07/03 Última atualização : 14/04/22 12:19 / 533 Artigos publicados

O Mapa  (Outros) escrito em terça 22 abril 2014 12:15

Blog de souarte :Sou Arte, O Mapa


Quando eu era criança, decorei essa poesia. Sempre a achei linda. É uma homenagem do poeta Mário Quintana a cidade de Porto Alegre.


O Mapa

Olho o mapa da cidade 
Como quem examinasse 
A anatomia de um corpo... 
(É nem que fosse meu corpo!) 
Sinto uma dor esquisita 
Das ruas de Porto Alegre 
Onde jamais passarei... 
Há tanta esquina esquisita 
Tanta nuança de paredes 
Há tanta moça bonita 
Nas ruas que não andei 
(E há uma rua encantada 
Que nem em sonhos sonhei...) 
Quando eu for, um dia desses, 
Poeira ou folha levada 
No vento da madrugada, 
Serei um pouco do nada 
Invisível, delicioso 
Que faz com que o teu ar 
Pareça mais um olhar 
Suave mistério amoroso 
Cidade de meu andar 
(Deste já tão longo andar!) 
E talvez de meu repouso... 

Mário Quintana


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa


Blog de souarte : Sou Arte, O Mapa

 


permalink

O Homem e a Natureza  (Frases) escrito em sábado 12 abril 2014 09:35

Blog de souarte :Sou Arte, O Homem e a Natureza

 

 

Tudo é bom, na medida em que nos seja dado pelas mãos do Autor da Natureza. Ainda assim, tudo degenera nas mãos do homem. Ele força um país a cultivar o que é produzido em outro; uma árvore a dar os frutos de outra. Ele mistura e confunde os climas, os elementos, e até mesmo as estações. Mutila seu cão, seu cavalo e seu escravo. Vira tudo de cabeça para baixo, e desfigura tudo. Ele ama a deformidade e os monstros. Não deixará nada da maneira como a natureza fez, nem mesmo ele próprio. Como um cavalo selvagem, tem que ser dobrado primeiro antes que sirva para o serviço do homem — tem que ser moldado de acordo com sua própria fantasia, como uma árvore em seu jardim.

Jean-Jacques Rousseau em "Emílio, ou Sobre a educação" (1762)

 

 

Blog de souarte : Sou Arte, O Homem e a Natureza




permalink

Banquete de Guerra  (Contos) escrito em segunda 07 abril 2014 05:24

Blog de souarte :Sou Arte, Banquete de Guerra

 

 

            Era 1945, época de guerra mundial. A praia já não tinha tropas, apenas restavam os cadáveres e os feridos, que aguardavam a chegada da Cruz Vermelha. As ondas do mar eram rubras do sangue e dos corpos das vítimas.  Pedaços humanos boiavam. A pouca vida que restava, quase não se movia. Soldados do mundo e da Alemanha, mortos ou moribundos, dividiam o espaço da areia rósea pelo líquido vital.

             A noite era iluminada pelo clarão da lua cheia, que permitia a visão ainda colorida do cruel confronto. Alguns tubarões aproveitavam os restos do mar, atraídos pelos corpos. Porém não eram apenas esses animais os convidados à ceia farta, criaturas da noite circularam o local. Maldade por maldade, que diferença faria. Os culpados da guerra comemoravam. Aquela sobra, não tinha nenhuma importância. E para seres do mal, a vitória fora a guerra em si.

            Vôos rasantes cruzavam o céu em perfeita harmonia, num bailado sublime. Lentamente arrastavam-se várias criaturas, aproximando-se, e deixando uma trilha cavada na praia. Um uivo estremecia os ouvidos dos que ainda ouviam, enquanto calafrios envolviam suas almas. Uma sombra cruzava perante a lua, em gargalhadas tenebrosas. No mar, ondas formavam-se com a vinda de seres estranhos. E muitos outros chegavam.

            Os cadáveres não davam importância, já não sentiam mais as dentadas dos mortos-vivos que cravavam suas bocas em putrefação à procura seus cérebros. O mastigar das mandíbulas caninas do Lobisomem, sobre as vítimas, era perfeito diante do alimento farto. A bruxa pousava e descia de sua vassoura, catando dentes, fios de cabelos, unhas, pedaços de dedos e até olhos humanos para seus rituais satânicos. Os monstros marinhos dividiam a refeição com os tubarões, volta e outra devorando-os também. Já os poucos soldados com vida, viram transformarem-se a sua frente, morcegos em vampiros; que sugaram o restante do sangue de suas veias, acabando de vez com o penar pré-morte.

            No outro dia, chegava a Cruz Vermelha. Já não havia nada para fazer. Restavam agora poucos pedaços a recolher. A guerra é cruel.

 

Autora: Cláudia Elisabeth Ramos



Blog de souarte : Sou Arte, Banquete de Guerra



Blog de souarte : Sou Arte, Banquete de Guerra




permalink

My Heart Will Go On  (Música) escrito em domingo 30 março 2014 19:05

 


Eis aqui uma bela trilha sonora de um grande filme para todos curtirem. Da trilha do filme  "Titanic" de James Cameron, a música "My Heart Will Go On" cantada por Celine Dion.


 

Blog de souarte : Sou Arte, My Heart Will Go On



permalink

Dia do Amigo Virtual  (Datas Comemorativas) escrito em quinta 27 março 2014 10:08

Blog de souarte :Sou Arte, Dia do Amigo Virtual


Pessoal, hoje, 27 de março, é o Dia do Amigo Virtual. Em homenagem a todos, estou postando um poema do meu amigo virtual Fontana  (do blog http://chumbos.spaceblog.com.br) que simplesmente diz tudo. Parabéns a todos vocês!

Mundo Virtual e o Coração....

Ouvi indignado alguém falar
Que o mundo virtual é um "não lugar",
Um "Terra do Nunca", algo assim...
Se um perito cirurgião um coração dissecar
Sequer um ser de carne e osso
Ele irá encontrar...
Porém em um bom coração
Há muitos amigos e amigas a morar
O mundo virtual usado com amor e respeito
É tão digno e nobre
Quanto um bom coração em cada peito......

(FONTANA)

 

 

Blog de souarte : Sou Arte, Dia do Amigo Virtual

 



permalink
|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para souarte

Precisa estar conectado para adicionar souarte para os seus amigos

 
Criar um blog